60ª Reunião Anual da SBPC




C. Ciências Biológicas - 5. Ecologia - 2. Ecologia Aquática

NIVEIS DE MERCÚRIO TOTAL EM SEDIMENTO E ÁGUA DE LAGOS DOS RIOS SOLIMÕES E NEGRO, AMAZÔNIA CENTRAL

Alessandra Barros Mendonça4
Sandra Beltran-Pedreros2
José Reinaldo Pacheco Peleja3
Rosseval Galdino Leite1

1. Dr. Laboratório de Ecologia de Peixes. INPA-CPBA
2. MSc. Laboratório de Ecologia de Peixes INPA-CPBA / Projeto PIATAM
3. Dr. Laboratório de Biologia Ambiental UFPA Campus Santarém
4. Biol. Laboratório de Ecologia de Peixes INPA-CPBA / Projeto PIATAM


INTRODUÇÃO:
A presença de mercúrio (Hg) na região Amazônica tem sido associada à mineração, mas vários estudos têm mostrado a contaminação por mercúrio de ecossistemas amazônicos onde não existe garimpo. Estudos indicam que o Hg encontrado nos ecossistemas aquáticos é proveniente da queima de biomassa florestal e dos processos de erosão e lixiviação do solo que contém mercúrio associado aos óxidos e hidróxidos de Ferro; fontes naturais de mercúrio que no meio aquático sofrem processos de metilação e acumulação na biota. O processo de metilação do Hg ocorre na camada superficial do sedimento de fundo, esse material particulado fino é acumulado nas raízes das macrófitas aquáticas e transformado em MeHg, aumentando a biodisponibilidade e dispersão no ambiente. Já, a concentração de Hg na água está determinada pela concentração de partículas em suspensão, pelo que a fração fina representa entre 40-90% dos níveis totais de Hg e é durante o período das chuvas quando se registram os maiores níveis de mercúrio total. Enquanto que para água filtrada e material particulado os maiores níveis são registrados no período da seca. O que indica que o ciclo de inundação parece ter grande influência sobre o ciclo do Hg.

METODOLOGIA:
Amostras de água superficial foram coletadas em quatro lagos do baixo rio Negro e 20 lagos do rio Solimões e as de sedimento em nove lagos do Solimões. As amostras foram coletadas em locais de baixa profundidade e menor velocidade de fluxo, onde ocorre a sedimentação do material carreado pela drenagem, com o auxílio de uma draga para a coleta de sedimento e manualmente para a água. O sedimento foi acondicionado em sacos plásticos e a água em garrafa plástica, identificados e mantidos sob refrigeração. No laboratório as amostras de sedimentos foram secas em estufa a 50oC e maceradas. Para as determinações de Hg total alíquotas de 200 mg foram digeridas com 10 ml de HNO3 + 1 ml HCl 6N, agitadas e levadas à placa aquecedora à 121 oC, sob ventilação, por 6 horas e, a solução foi diluída com água Milli-Q a um volume final de 30ml. A digestão das amostras de água foi feita com 100 µl de persulfato de potássio 5% e 10 ml da amostra em tubos de ensaio de quartzo. Os tubos foram vedados com parafilme e submetidos à oxidação ultravioleta em reator fotoquímico, por 20 a 30 minutos. Logo, alíquotas de 5 ml foram reduzidas com SnCl2. As determinações de mercúrio foram feitas por Espectrofotometria de Fluorescência Atômica à Vapor Frio (CVASF).

RESULTADOS:
Os níveis de mercúrio total nas amostras de água dos lagos do rio Negro foram maiores em média (8,67µg/l) do que as dos lagos do rio Solimões (6,51µg/l). As águas de lagos do rio Negro se caracterizam por possuir pouco sedimento em suspensão, pela alta acidez (±4,5) e pela presença de ácidos húmicos e fúlvicos, enquanto que as águas dos lagos do rio Solimões apresentam altos teores de partículas em suspensão e pH de neutro para básico (±7,3). Os lagos do rio Negro se caracterizam, também, pela pouca abundância e diversidade de macrófitas aquáticas. Considerando os níveis de mercúrio total na água, por biótopo, para lagos do rio Negro, o centro do lago apresentou maiores teores que a margem (8,93 µg/l e 8,51 µg/l respectivamente), enquanto que nos lagos do rio Solimões a situação foi inversa, maior na margem, seguida da água perto das macrófitas aquáticas e, menor no centro (6,87, 6,77 e 6,18 µg/l respectivamente). Na analise de mercúrio total na água dos lagos do rio Solimões foi observado teores maiores que a média para os lagos do rio Negro. Lagos como o Poraquê, Paratari e Coari apresentaram níveis entre 10,6–14,45µg/l. Os resultados de mercúrio total nos sedimentos de fundo dos lagos do rio Solimões variaram entre 73,21 a 345,95 ng/g. O lago Poraquê apresentou o maior teor de mercúrio total no sedimento (316,42 ng/g), este lago se caracteriza pela constante influência com as águas do rio Solimões e os efeitos do desmatamento da margem do lago e de áreas próximas, para o passo do gasoduto. Outros lagos com teores altos de mercúrio total em sedimento foram Manacapuru, Preto e Baixio (169,52; 131,2 e 120,81 ng/g respectivamente), todos os lagos com áreas de planície aluvial (várzeas) muito ampla e de alto trânsito de embarcações; com influência constante do rio Solimões.

CONCLUSÕES:
Os resultados de mercúrio total para água, encontrados nos lagos estão dentro dos limites permissíveis para água doce segundo a OMS (máximo 10 µg/l), assim como os valores médios encontrados para sedimento nos lagos do rio Solimões estão dentro da faixa dos registros da literatura para rios amazônicos não contaminados (50 – 280 ng/g). A determinação de mercúrio em sedimentos de fundo constitui um importante referencial para a avaliação da poluição de ambientes aquáticos por metais pesados (Silva et. al.,1997). Os resultados de mercúrio total nos sedimentos de fundo dos lagos do rio Solimões (n = 9) apresentaram valores que variaram entre 73,21 e 345,95 ng/g, esse valores indicam certo grau de heterogeneidade que pode estar sendo influenciado por perturbações antrópicas. Ainda assim, o valor médio de mercúrio total no sedimento dos lagos do rio Solimões (142,28 ng/g) é menor aos valores reportados na literatura para locais onde há exploração de ouro com os do rio Rato (230 ng/g) e seus afluentes (1.600 ng/g), na Bacia do rio Tapajós (Silva, 1997); no rio Acre (580 ng/g) e; no rio Madeira (520 ng/g).

Instituição de fomento: FINEP, PETROBRAS, CNPq, INPA, UFPA



Palavras-chave:  Mercúrio total em água, Mércúrio Total em sedimento, Mercúrio em lagos de várzea

E-mail para contato: alebiostm@yahoo.com.br