64ª Reunião Anual da SBPC
A. Ciências Exatas e da Terra - 6. Geociências - 8. Mineralogia e Petrologia
MUDANÇA DE COR EM CRISTAIS DE AMETISTA POR MEIO DE TRATAMENTO TÉRMICO
Vanessa Xavier de Sousa Silva 1
Carlos Tadeu Carvalho do Nascimento 2
1. Faculdade UnB Planaltina, Universidade de Brasília
2. Prof. Dr./Orientador - Faculdade UnB Planaltina, Universidade de Brasília
INTRODUÇÃO:
O quartzo (SiO2) é um dos silicatos mais abundantes, apresentando dureza 7, densidade relativa 2,65, hábito prismático, traço incolor e brilho vítreo. Este mineral encontra aplicação na indústria eletrônica, em joalheria além de se constituir matéria prima para fabricação do vidro. O quartzo puro é incolor, mas a presença de pequenas quantidades de elementos químicos como o ferro resultam em cristais coloridos. A ametista é uma variedade de quartzo com cor violeta, comumente encontrada na região sul do Brasil. O citrino é uma variedade de quartzo com coloração amarela, porém mais difícil de ser encontrada. Mesmo apresentando valor relativamente baixo de comercialização, o citrino é apreciado pelos consumidores e em decorrência de sua raridade, as joalherias utilizam um processo térmico para transformar ametista em citrino, por meio do aquecimento.
METODOLOGIA:
MÉTODOS
O experimento em questão consistiu essencialmente em aquecer cristais de ametista até que fosse observada a mudança de cor. A ametista, quando tratada entre 300 e 500oC, pode se transformar em citrino devido a mudança de Fe3+ para Fe2+, o que dá ao quartzo a coloração amarela. A mufla é um forno elétrico que possibilita a realização de experimentos com altas temperaturas, sendo capaz de trabalhar com valores acima de 1000oC. Os equipamentos utilizados incluíram mufla, cadinho, bandeja, pinça, cristais de ametista, com tamanho médio de 5 mm, além de luvas térmicas. Inicialmente, os cristais foram colocados no cadinho, sendo então, colocados na mufla e aquecidos.
RESULTADOS:
Ao todo foram realizados seis experimentos. Em cada um, seis cristais de ametista foram submetidos a uma dada combinação de temperatura e período de aquecimento. O primeiro experimento, realizado a uma temperatura de 450oC por 7h 30min, resultou em cristais amarelos com resquícios violetas. Em seguida, aumentou-se a temperatura para 800oC e diminuiu-se o tempo para 6h, visando resultados que pudessem ser aplicados em aulas práticas de mineralogia. Contudo, foram obtidos minerais com coloração branca. Desse modo, prosseguiram-se as tentativas, sendo realizados mais quatro procedimentos, dois com temperatura igual a 800oC, sendo o primeiro com duração de 4h e o segundo com 2h, sendo que ambos apresentaram os mesmos resultados, cor branca. Posteriormente, utilizando temperatura de 700oC por 1h, os cristais tornaram-se transparentes. Em função desses resultados, repetiu-se o experimento inicial, aumentando o tempo para 9h, o que resultou em cristais totalmente amarelos.
CONCLUSÃO:
Observou-se que as combinações de temperatura e tempo de aquecimento em cristais de ametista, empregadas nesse trabalho, resultaram em cristais cuja cor variou entre branco, transparente e amarelo. A transformação de ametista em citrino foi obtida com temperatura de 450oC e tempo de 9 horas.
Palavras-chave: Quartzo, Citrino, Aquecimento.