Esta página utiliza Javascript. Seu navegador não suporta Javascript ou está desativado. Para visualizar esta página, utilize um navegador com Javascript habilitado. 64ª Reunião Anual da SBPC Untitled Document
Banner do Evento

REALIZAÇÃO
Logo da Sociedade Brasileira para o Progresso da Cincia - SBPC
Logo da Universidade Federal do Maranho - UFMA

Notícias

25/7/2012 - AEB defende parcerias e investimentos em educação para minimizar conflitos em Alcântara

Em uma tentativa de minimizar os conflitos em Alcântara, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, divulgou na segunda-feira (23) várias medidas de estímulos para o município que abriga a Base Espacial do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), a 18,3 quilômetros de São Luís, capital do Maranhão.

Depois de ouvir as queixas de moradores quilombolas em defesa da regularização de terras e sobre a falta de investimento em educação e em infraestrutura em Alcântara, o presidente da AEB considerou fundamental a implementação de parcerias entre os governos Federal, Estadual e Municipal para fomentar a região. Dentre outras medidas, ele defendeu principalmente investimentos significativos na educação básica, técnica e universitária a fim de mudar a cultura na região.

"Para resolver essa questão definitivamente temos de mudar a cultura. E só muda a cultura pela educação. Se não formos capazes de mitigar os conflitos nas esferas de governo essas mazelas serão eternas", disse o presidente da AEB na mesa-redonda "Benefícios econômicos e sociais da Base de Alcântara para o Maranhão. Para quem e quando?", realizada na 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Mediado pelo reitor da universidade, o debate teve a participação de Leonardo dos Anjos, dirigente do Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara, e de Raimundo Soares do Nascimento, representando o prefeito de Alcântara. Na ocasião, o representante do prefeito de Alcântara reforçou o impacto negativo da Base Espacial na região e destacou a carência do município. "Antes as pessoas tinham a beira-mar e tinham a pesca como a principal atividade econômica e, agora, depois do deslocamento das pessoas para outras regiões a agricultura não deslanchou", disse.

Nascimento acrescentou que a economia do município ainda é presa aos modos tradicionais (artesanato), a população das agrovilas (comunidades) cresceu e a infraestrutura não acompanhou tal crescimento. "É necessário apoio e investimentos nessas áreas", disse, defendendo também capacitação técnica na região.

Com opinião semelhante, o dirigente do Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara acrescentou que a economia das comunidades rurais é movimentada hoje pela aposentadoria e pelos recursos do programa federal Bolsa Família, já que a agricultura enfrenta problemas de seca e está alocada em áreas não produtivas.

Solução conjunta - Maranhense, o presidente da AEB "ofereceu à Prefeitura apoio e companheirismo em prol de uma solução conjunta" para os moradores de Alcântara. Segundo ele acredita, a Base Espacial de Alcântara proporcionará às comunidades quilombolas uma série de benefícios, dentre os quais, a geração de emprego. Dessa forma, Braga Coelho sugeriu o fomento em capacitação técnica dos quilombolas para trabalharem na Base de Alcântara, inclusive na gestão do empreendimento.

José Raimundo defendeu a participação de investimento do setor privado situado na região, como a Vale, a exemplo do que faz a Embraer no Parque Tecnológico de São José dos Campos do qual ele era diretor. Segundo disse, a Embraer investe consideravelmente em educação na cidade paulista.

"Meu objetivo é trabalhar juntamente com as comunidades. Vamos fazer muito esforço para mitigar essas mazelas", disse ele, citando que na véspera havia conversado com a governadora do Maranhão, Roseane Sarney e com o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Marco Antonio Raupp, além com o reitor da UFMA.

Promessas não cumpridas - Desconfiado, o dirigente do Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara cobrou a promessa realizada há dois anos para a qualificação profissional de 300 moradores da região para trabalharem na AEB. O presidente da AEB fez questão de frisar que, inicialmente, era estimada uma área de 60 mil hectares para a implementação da Base Espacial de Alcântara, o que seriam um "tamanho razoável", número que foi reduzido para oito mil hectares de terra, sob pressão judicial. A medida ainda precisa da aprovação da presidente Dilma Rousseff. Os quilombolas aceitam essa medida.

O presidente da AEB acrescentou não poder mudar o projeto que está em curso, mas pode mudar a rota dele, focando os investimentos na educação da população local, por exemplo. "O tamanho foi tremendamente reduzido e, portanto, suas aspirações e retornos comerciais proporcionalmente também serão reduzidos. Ao invés de instituir vários ciclos de lançamentos, agora, na melhor das hipóteses, serão três. Mas esse não é o problema maior. O problema é fazer isso de maneira harmônica", declarou o presidente da AEB.

Infraestrutura - José Raimundo destacou que a agência, juntamente com o MCTI, vai priorizar os projetos na região. Sem citar investimentos, ele falou sobre a construção do porto no Ancoradouro como um dos projetos mais importantes. "Estamos trabalhando para colocar isso no PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] porque é uma construção de infraestrutura portuária", declarou, afirmando que o projeto aguarda mais uma vez a liberação da licença ambiental para ser construído.

Ele também citou a proposta de construir uma ponte "enorme" para viabilizar a mobilidade de São Luís à Alcântara, independentemente da oscilação da maré que varia seis metros de altitude (recua e sobe) para beneficiar a população que hoje não têm com se deslocar para a capital de barco quando a maré recua muito.

Além de permitir acessibilidade às cargas de foguetes espaciais da capital para a Base Espacial de Alcântara, a proposta é também estimular a educação para que moradores possam estudar em São Luis e vice-versa, destacou o presidente da AEB. Ele concorda que essa obra requer um investimento significativo. "É por isso que estamos saindo fora do nosso orçamento e sugerindo colocar isso no PAC", disse. Este ano o MCTI sofreu um novo corte no Orçamento de quase 23%.

(Viviane Monteiro - Jornal da Ciência)


Notícias
Credenciamento de Jornalistas
Atendimento à Imprensa