Esta página utiliza Javascript. Seu navegador não suporta Javascript ou está desativado. Para visualizar esta página, utilize um navegador com Javascript habilitado. 64ª Reunião Anual da SBPC Untitled Document
Banner do Evento

REALIZAÇÃO
Logo da Sociedade Brasileira para o Progresso da Cincia - SBPC
Logo da Universidade Federal do Maranho - UFMA

Notícias

25/7/2012 - Conferência analisa continuidades e rupturas da teoria da evolução

Guillermo Folguera afirma que nos últimos quinze anos houve uma aceleração na discussão sobre as modificações teóricas, incluindo o questionamento da exclusividade do gene como unidade de hereditariedade.

Ele é considerado a unidade fundamental da hereditariedade na genética clássica, mas o gene pode ganhar a companhia de outros fatores, como o comportamental e a influência epigenética na explicação da herança, de acordo com Guillermo Folguera, da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais e da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Buenos Aires, que proferiu ontem (24) a palestra 'Continuidades y Rupturas en la Teoría de la Evolución' na 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

"O gene foi considerado durante décadas a única unidade de hereditariedade, mas hoje quer se aliar à epigenética, aos estudos comportamentais de aprendizagem social e à linguística, esta última no caso do homem", afirma Folguera. "Não se está apenas criticando a exclusividade do gene como unidade de hereditariedade. O que ocorre há quatro décadas é que se está tirando a relevância dele em muitos aspectos no âmbito genético", detalha Folguera ao Jornal da Ciência.

Nesse sentido, entra a mudança dele como unidade de hereditariedade exclusiva, e também a "complexa relação fenótipo-genótipo"' o que, segundo o pesquisador, "nos faz pensar a vida em diferentes níveis, onde o genético seja só um deles" e que cada vez que se tenha que descrever um fenômeno biológico seja necessário levar em conta um determinado conjunto de níveis.

Jogo de interesses - No entanto, a ideia é ainda muito discutida porque envolve distintos interesses. "Por exemplo, para onde destinar o dinheiro de pesquisas sobre o câncer? Para estudos genéticos, estudos celulares, estudos organímicos? Há grandes implicações de ordem ética, política e econômica", alega Folguera.

O pesquisador também afirma que há resistências à ideia da quebra da exclusividade também por "dificuldades epistêmicas". "Uma ideia de que o fenótipo se herda se aproxima muito mais ao lamarckiano que darwiniano, como no caso, por exemplo, da indução ambiental, quando o ambiente gera a mudança do fenótipo. Mas os biólogos odeiam a palavra lamarckiano, por toda oposição que Darwin teve com Lamarck", relata.

As referências profissionais de Folguera citadas já dão uma ideia de sua trajetória, que une biologia e filosofia, disciplinas nas quais ele não só se especializou, mas estabeleceu conexões. "Aos poucos ele se tornou um biólogo filósofo e encontrou campo fértil na teoria da evolução. Longe de ser contínua, a evolução encontra percalços, discussões e rupturas", conta o professor Ennio Candotti, vice-presidente da SBPC, apresentador da palestra de Folguera.

Histórico das teorias - Durante a conferência, o pesquisador argentino analisou as continuidades e descontinuidades da teoria da evolução nas últimas cinco décadas, indagando os efeitos epistemológicos, metodológicos e ontológicos das mudanças na teoria.

Ele explicou a composição do "núcleo duro" da genética, formado pela genética clássica, genética das populações e ecologia evolutiva, consideradas disciplinas "que explicam". Paleontologia e anatomia comparada, por outra parte, apresentam dados e fenômenos para serem explicados. Folguera se focou nos conjuntos das genéticas clássica e de populações, relacionando a primeira às origens das variações genotípicas e fenotípicas e à EvoDevo e a segunda a mecanismos microevolutivos, paleontologia e hierarquias seletivas.

"A genética clássica e a genética de populações cumpriram, durante o século 20, com as expectativas metodológicas, epistemológicas e ontológicas de biólogos e filósofos da tradição do empirismo lógico. A genética de populações logrou cumprir as expectativas de ser uma ciência propriamente, tendo a física como disciplina exemplo. Ela tem um funcionamento como o da física", compara, citando texto que produziu com o brasileiro Melender de Araújo.

Após falar das bases e da diversidade de propostas nos séculos 18 e 19, e da predominância da síntese biológica entre os anos 1930 e 1960, Folguera focou nos anos 1970, quando houve o que ele chama de "primeira onda" de críticas, expansões e alterações da síntese biológica.

A "segunda onda", de acordo com o Folguera, surgiu a partir de 1995, quando começou uma aceleração nas discussões, que vem se intensificando com temas como a quebra da exclusividade do gene como unidade de hereditariedade. "Foram registradas grandes modificações na teoria da evolução na última década e isso foi se acelerando. Hoje estamos discutindo mudanças muito importantes", destaca.

(Clarissa Vasconcellos - Jornal da Ciência)


Notícias
Credenciamento de Jornalistas
Atendimento à Imprensa