Esta página utiliza Javascript. Seu navegador não suporta Javascript ou está desativado. Para visualizar esta página, utilize um navegador com Javascript habilitado. 64ª Reunião Anual da SBPC Untitled Document
Banner do Evento

REALIZAÇÃO
Logo da Sociedade Brasileira para o Progresso da Cincia - SBPC
Logo da Universidade Federal do Maranho - UFMA

Notícias

25/7/2012 - Conferência apresenta novidades no programa espacial brasileiro

Uma nova carteira de projetos, maior participação industrial e domínio de tecnologias críticas são as principais características e objetivos do novo Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), apresentado ontem (24), na 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que acontece em São Luís, no Maranhão, até sexta-feira (27). 

Quem falou sobre as mudanças foi o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, durante sua conferência 'O Programa Espacial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável'. Dirigindo-se a um público predominantemente composto por jovens universitários, ele fez uma apresentação didática do PNAE.

Coelho explicou por que é importante para um país das dimensões do Brasil ter um programa espacial. "A política espacial brasileira atende a demandas concretas do País e da sociedade", disse. "Entre elas, podemos citar a prevenção e alerta de desastres, a estratégia nacional de defesa, o monitoramento ambiental e a segurança alimentar e hídrica." O presidente da AEB também ressaltou os aspectos tecnológicos de um programa espacial. Segundo ele, desenvolver tecnologia nessa área significa progresso em todas as outras. "Ela é fundamental para o avanço da própria ciência e das outras tecnologias", disse. "A complexidade tecnológica da atividade aeroespacial é a segunda no ranking da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)", contou Coelho. "Ela só perde para a farmacêutica."

Em relação às mudanças no PNAE, o presidente da AEB destacou a maior participação da iniciativa privada nas atividades espaciais. Para isso foi criada uma Empresa Industrial Nacional, mista entre governo e setor privado, chamada Visiona, que será a encarregada de fabricar os satélites e equipamentos de solo, e assinar contratos para isso com outras empresas, nacionais ou internacionais. A Visiona também contratará as companhias para os lançamentos dos satélites. Acima dela na estrutura do novo PNAE está o Escritório de Projetos (EP), constituído pela Telebrás, Ministério da Defesa, AEB e Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Os dois primeiros também fazem parte da instância máxima do novo PNAE, que é o Comitê Diretor de Projeto (CDP), composto ainda pelos ministérios das Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Quanto à nova carteira de projeto, está previsto o lançamento de 12 novos satélites até 2019. O primeiro deles, o Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres 3 (Cbers, na sigla em inglês), que na verdade é o quarto dessa série produzida em parceria com a China, porque existem o Cbers-2 e o Cbers-2B, além do Cbers-1, deve ser lançado ainda este ano. Em 2014 deverá ser colocado em órbita o Cbers-4. Entre os 12 previstos para serem lançados, estão dois de comunicações, um em 2014 e outros em 2019, e quatro de monitoramento ambiental, entre 2014 e 2018.

(Evanildo da Silveira para o Jornal da Ciência)


Notícias
Credenciamento de Jornalistas
Atendimento à Imprensa