Esta página utiliza Javascript. Seu navegador não suporta Javascript ou está desativado. Para visualizar esta página, utilize um navegador com Javascript habilitado. 64ª Reunião Anual da SBPC Untitled Document
Banner do Evento

REALIZAÇÃO
Logo da Sociedade Brasileira para o Progresso da Cincia - SBPC
Logo da Universidade Federal do Maranho - UFMA

Notícias

26/7/2012 - Debate sobre o papel da Universidade

Com o tema "Em defesa da Universidade", a mesa-redonda realizada no segundo dia da 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em São Luís, defendeu a importância das instituições para o País.

Em sua apresentação, Valério Arcary, professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) questionou o tema da mesa-redonda "Defender a universidade de quem, de quê? Quem não sabe contra o que lutar não pode vencer". Para uma plateia formada sobretudo por estudantes, o professor responde que, antes de tudo "lutamos contra a decadência, vivemos em um momento de prosperidade, lutamos contra a decadência", resumiu.

Arcary traçou um apanhado histórico sobre o surgimento da Universidade no mundo e no Brasil, como um espaço de produção e socialização de conhecimento. De acordo com o professor, a universidade surgiu depois do aparecimento do sistema capitalista. No período pré-capitalista, ele citou sociedades que eram muito desenvolvidas, mas que desapareceram rapidamente da história. "A produção de ciência, arte e cultura é indispensável para a vida social, que a sociedade dedique uma parte de suas riquezas para a criação de ideias e estímulo a formação de intelectuais é absolutamente vital", declarou.

O professor falou também sobre a questão do desenvolvimento tardio da Educação no Brasil e sobre a influência de Portugal nesse atraso. Ele explica que a formação de uma massa crítica nunca foi prioridade dos portugueses porque poderia provocar tensões. Portanto, apenas depois da independência surgiram as primeiras universidades no Pais. "O atraso histórico condiciona a formação da massa intelectual no Brasil".

A expansão da Universidade no País a partir dos anos 50 integrava o projeto nacional de desenvolvimento. "O Brasil não era atrasado apenas na parte industrial, era muito atrasado na educação e o Estado teve que criar universidades para desenvolver as habilidades daquela região. A partir dali, o Estado assume a responsabilidade de criar universidades porque era estratégico para o crescimento e o modelo de progresso do Brasil", explana.

E para manter seus intelectuais profissionais, a sociedade precisa produzir mais para gerar um excedente para manter os profissionais intelectuais. Custo de um aluno por um ano em uma universidade pública é R$ 15 mil. Com a aprovação dos 10% do PIB, o investimento dobra e o custo sobe para R$ 30 mil, se colocar em debate esse valor na sociedade, terá apoio?

Mobilização – Segundo a análise de Arcary, um dos desafios que se apresentam atualmente para a comunidade universitária é sua capacidade de mobilização e pressão por políticas públicas. "Nós temos os elementos da crise do Brasil antigo, ou seja, sofremos com o atraso histórico, e também temos a crise da sociedade moderna, ou seja, uma sociedade atrasada na educação e cada vez com maior poder econômico", define.

Para Bernardo Boris Vargaftig, da Universidade de São Paulo, o mundo vive um movimento internacional de contestação, mas são protestos dispersos e desconexos que acabam perdendo o foco. "Vemos mobilizações imensas mas passageiras, não há um programa que direciona, a movimentação é dispersa, não há protesto com um projeto claro de avanço", declarou.

Os dois professores relembram o importante papel da Universidade na época da ditaura e questionam o papel atual no cenário político nacional. "O desafio é saber se a universidade tem a mesma capacidade de ser decisiva no momento atual histórico como na época da ditadura. Queremos defender a universidade? Temos que saber contra quem lutamos e como lutar", provoca Arcary.

(Jornal da Ciência)



Notícias
Credenciamento de Jornalistas
Atendimento à Imprensa